surfreporter

publicar Cadastre-se na rede social do surfe

Fabricio Fernandes

postagens sobre

WakeSurf com os amigos

19/10/2017 16:30

Sempre gostei de explorar os esportes c prancha. E o WakeSurf é uma modalidade que gostei demais.
Na verdade, para se fazer WakeSurf, é preciso uma lancha especifica, com lastro no fundo, para que se forme uma onda de meio metro e após ser rebocado com um cabo ganhar velocidade e soltar este, surfando a onda, da mesma forma que no mar.
Sendo puxado por outras lanchas ou Jet Ski, a onda é bem menor, sem muita força e por isso, na maioria das vezes, não da para largar o cabo. Mas não deixa de ser uma boa diversão.
Nisso, destaco dois aspectos, primeiro a malhação monstra que é ficar esquiando com a prancha e surfando as pequenas ondas.
15 minutos e minhas pernas estavam ardendo. Costas, braços, lombar e abdômen estafados.
E o segundo aspecto, o excelente treino para o Surf rebocado, tow in, que consiste em ser puxado por um Jet Ski aproveitando a velocidade da máquina para entrar antes na onda, podendo em ondas gigantes utilizar pranchas pequenas.
Lancei o anúncio que precisava achar alguém com Jet para escrever uma matéria.
Meu amigo Thiago Novaes, que também é esportista, capoeirista e malhador entrou em contato com um parceiro dele, Lucio Menezes.
Lúcio é advogado, mas sua paixão é a tatuagem. Tem seu estúdio e uma clientela forte. É lá que ele passa a maior parte do tempo e ainda por cima riscando altas gatas, já que ele curte uma academia e lá faz diversos contatos. Mas Domingo é dia de curtir um rolê de Jet com os amigos.
Combinamos tudo para um Domingo cedinho e partimos p a praia da Ribeira.
Era minha segunda vez fazendo o esporte e com a minha RM 5.6 que coloquei um deck easy air com alças, apoio de Alex, fabricante dos decks. (Essa é outra matéria)
Não sabia como seria meu desempenho. Mas na hora deu tudo certo. Arrumamos a corda e Thiago que estava com uma torção no pé ficou encarregado das imagens com tripé e uma Sony superzoom.
Fizemos duas baterias de 15 a 20 min cada e eu terminei literalmente morto.
Arrisquei uns aéreos baixos e muitas trocas de borda em alta velocidade.
Depois foi só alegria. Feijoada e resenha fechando um dia alucinante.

Não podia deixar de agradecer a Jet Marine com Israel e Bilu, que fazem um trabalho excelente cuidando dos Jets, na manutenção e transporte e ainda tendo uma área para o banho doce, compra de acessórios e para fazer aquele rango depiis do esporte.
@faunning

compartilhar

548
0