surfreporter

publicar Cadastre-se na rede social do surfe

Brasil é maioria nas oitavas de final do QS 10000 Vans World Cup

05/12/2016 09:36

 

O Brasil é maioria entre os 32 classificados para as oitavas de final do QS 10000 Vans World Cup of Surfing, com nove concorrentes ao título do segundo desafio da Tríplice Coroa Havaiana em Sunset Beach. Seis deles venceram suas baterias nas ondas de 6-8 pés do sábado, os campeões mundiais Adriano de Souza e Gabriel Medina, Filipe Toledo e três que estão na briga pelas vagas do WSL Qualifying Series para a elite dos top-34 da World Surf League, Jessé Mendes, Deivid Silva e Miguel Pupo. Já Wiggolly Dantas e Ian Gouveia completaram duas dobradinhas brasileiras no início do dia e Jadson André entrou no G-10 com a classificação, mas nove ainda estão vivos na disputa, com Jessé, Deivid e Miguel entre eles.

 

O swell baixou um pouco no sábado e Sunset Beach apresentou boas ondas de 6-8 pés para mais um dia decisivo na batalha pelas cinco vagas que restam do ranking de acesso para a elite dos top-34 da World Surf League. O dia começou com dezoito surfistas podendo entrar no G-10 e só o potiguar Jadson André já conseguiu. Mas, nove ainda têm chances, como Jessé Mendes, Deivid Silva e Miguel Pupo. Jadson tirou da lista o australiano Ryan Callinan, um dos cinco que defendiam as últimas vagas do QS e perdeu no sábado em Sunset Beach.

O outro foi o baiano Bino Lopes, que permanece em oitavo lugar no ranking, com o português Frederico Morais em nono e agora Jadson André em décimo. O pernambucano Ian Gouveia é o sétimo e avançou na dobradinha brasileira com o campeão mundial Adriano de Souza. Ele vai abrir as oitavas de final, junto com Deivid Silva, que disputa vaga no G-10 no confronto com dois australianos, Matt Wilkinson e Jack Freestone.

A busca por um lugar na elite do CT foi intensa no sábado, desde a primeira até a última das quinze baterias realizadas para fechar a rodada de estreia dos 32 principais cabeças de chave do QS 10000 de Sunset Beach, contra os classificados da segunda fase na sexta-feira de ondas bem maiores e mais difíceis de surfar. O terceiro dia começou com dobradinha verde-amarela de Deivid Silva e Wiggolly Dantas e terminou com vitória brasileira de Jessé Mendes.

 

DOBRADINHAS BRASILEIRAS – Na primeira do dia, Deivid Silva precisando passar para seguir na luta para entrar no CT, massacra uma direita para tirar nota 8,17 dos juízes e vencer a bateria. No último minuto, Wiggolly Dantas pega uma boa onda e confirma a primeira dobradinha brasileira na terceira fase da World Cup. Os dois acabaram com as chances do australiano Davey Cathels se manter na elite pelo QS e outra classificação dupla aconteceu duas baterias depois, com participação tripla do Brasil.

O campeão mundial Adriano de Souza confirmou o favoritismo com vitória e Ian Gouveia passou em segundo na sua primeira defesa da sétima posição no G-10. O filho do ídolo Fábio Gouveia, primeiro brasileiro a vencer a etapa de Sunset Beach em 1991, começou bem e deu mais um passo para garantir sua vaga para o CT 2017. Já Alex Ribeiro, que ficou em terceiro na bateria, vai se despedir da elite no Billabong Pipe Masters, que fecha a Tríplice Coroa Havaiana e a temporada 2016 da World Surf League nos dias 8 a 20 de dezembro em Banzai Pipeline.

A batalha pelas cinco últimas vagas do QS continuou a cada bateria. Filipe Toledo estreou usando até os aéreos para vencer dois concorrentes e uma novidade já confirmada para o CT do ano que vem, o francês Joan Duru. No último minuto, Duru perdeu o segundo lugar para o seu compatriota, Marc Lacomare, que tem chance de entrar no G-10. Já Soli Bailey ficou em último e foi o segundo australiano a sair da briga na manhã do sábado em Sunset Beach.

 

JADSON ANDRÉ NO G-10 – Logo caiu mais um, Ryan Callinan, que defendia a penúltima posição no G-10. O último é o português Frederico Morais, que se classificou na disputa seguinte atrás de um concorrente direto, o americano Tanner Gudauskas. Com isso, ele já deixava a rabeira da lista para o australiano, ameaçado por mais de dez surfistas que ainda iam competir no sábado. O oitavo do ranking, Bino Lopes, também perdeu na bateria vencida pelo campeão da Tríplice Coroa Havaiana, Gabriel Medina, tendo que ficar na torcida para não sair do G-10.

E isso já aconteceu para Ryan Callinan no confronto seguinte, quando Jadson André se classificou para as oitavas de final em outra vitória de Torrey Meister com uma nota no critério excelente – 9,27 – em Sunset Beach. O havaiano tem chance de G-10 também e os dois tiraram mais um australiano da briga, Mitch Crews. Duas baterias depois, mais três concorrentes por vagas no G-10 se enfrentaram e o taitiano Mihimana Braye fracassou. O americano Patrick Gudauskas venceu e segue na luta para retornar ao CT, com o francês Jeremy Flores continuando a defender a sexta posição no QS.

Mais quatro surfistas com chances de entrar no G-10 disputaram as duas últimas baterias do dia, três deles do Brasil. O top da elite, Miguel Pupo, estreou com vitória na penúltima e outro australiano perdeu as esperanças de se manter no CT pelo QS, Matt Banting, barrado pelo americano Ian Crane. E na que fechou a terceira fase, Jessé Mendes superou os cabeças de chave Jordy Smith e Sebastian Zietz e foi dormir o sábado em 12.o lugar no ranking. Já o jovem catarinense Yago Dora adiou o sonho do CT para o próximo ano, pois o sul-africano Jordy Smith ficou com a última vaga para as oitavas de final.

 

Miguel Pupo (Foto: Sloane – WSL)

OITAVAS DE FINAL – O Brasil é maioria entre os 32 que ficaram para disputar o título da Vans World Cup. São nove contra sete australianos, seis havaianos, quatro norte-americanos, dois franceses, um sul-africano, um neozelandês, um português e um taitiano. E a pressão da batalha pelas cinco últimas vagas na lista dos dez indicados pelo WSL Qualifying Series vai continuar a cada bateria das oitavas de final. Apenas a penúltima não terá alguém disputando classificação para o CT 2017.

São três defendendo vaga no G-10, contra dez que têm chances de entrar na lista no QS 10000 de Sunset Beach. O francês Jeremy Flores em sexto no ranking e o brasileiro Ian Gouveia em sétimo, estão mais próximos de se garantirem no grupo. Os mais ameaçados são o baiano Bino Lopes, que já perdeu e permanece em oitavo, e o português Frederico Morais na penúltima posição, à frente só de Jadson André, que tirou o australiano Ryan Callinan da lista no sábado.

 

VAGAS NO G-10 – As oitavas de final vão começar com três concorrentes abrindo o próximo dia, Ian Gouveia no G-10 contra dois que tentam entrar, o paulista Deivid Silva e Jack Freestone. Outro top australiano do CT completa essa primeira bateria, Matt Wilkinson. Na segunda, o havaiano Ezekiel Lau joga sua chance contra dois brasileiros da elite, Adriano de Souza e Wiggolly Dantas, além do neozelandês Ricardo Christie. E na terceira, Frederico Morais também terá uma parada dura para defender o retorno de Portugal ao CT, contra Filipe Toledo, o australiano Adrian Buchan e o havaiano Billy Kemper.

Na quarta bateria, entram mais dois concorrentes, o norte-americano Tanner Gudauskas e o francês Marc Lacomare, com dois havaianos que vem se destacando em Sunset Beach, o campeão mundial John John Florence e Koa Smith. Na seguinte, é Gabriel Medina quem pode complicar a vida do francês Jeremy Flores e do havaiano Torrey Meister no confronto completado por uma das novidades já confirmadas para o CT 2017, o australiano Ethan Ewing.

A disputa por vagas não para e continua para o potiguar Jadson André e o americano Patrick Gudauskas, contra a fera Kelly Slater e o taitiano O´Neill Massin. Jadson entrou no G-10 e precisa avançar mais baterias para consolidar a sua permanência na elite pelo ranking de acesso da World Surf League, pois outros nove surfistas ainda podem ultrapassa-lo em Sunset Beach. Dois deles são os brasileiros Jessé Mendes e Miguel Pupo, que vão fechar as oitavas de final, enfrentando o australiano Joel Parkinson e o havaiano Eli Olson.

O QS 10000 Vans World Cup of Surfing está sendo transmitido ao vivo de Sunset Beach pelo http://www.worldsurfleague.com. A primeira chamada a cada dia está sendo marcada entre 7h00 e 8h00 no Havaí, 15h00 e 16h00 no fuso horário de Brasília.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL), antes denominada Association of Surfing Professionals (ASP), tem como objetivo celebrar o melhor surf do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Samsung Galaxy Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo http://www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL já possui uma enorme legião de fãs apaixonados em todo o planeta que acompanha as performances dos melhores surfistas do mundo, como Gabriel Medina, John John Florence, Adriano de Souza, Kelly Slater, Stephanie Gilmore, Greg Long, Makua Rothman, Carissa Moore, entre outros, competindo no mais imprevisível e dinâmico campo de jogo entre todos os esportes no mundo, que é o mar.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

—————————————————————-

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

—————————————————————-

OITAVAS DE FINAL DO QS 10000 VANS WORLD CUP OF SURFING:

———-3.o=17.o lugar (US$ 2.850 e 2.300 pts) / 4.o=25.o lugar (US$ 2.350 e 2.100 pts):

1.a: Matt Wilkinson (AUS), Jack Freestone (AUS), Ian Gouveia (BRA), Deivid Silva (BRA)

2.a: Adriano de Souza (BRA), Wiggolly Dantas (BRA), Ezekiel Lau (HAV), Ricardo Christie (NZL)

3.a: Filipe Toledo (BRA), Adrian Buchan (AUS), Frederico Morais (PRT), Billy Kemper (HAV)

4.a: John John Florence (HAV), Tanner Gudauskas (EUA), Marc Lacomare (FRA), Koa Smith (HAV)

5.a: Gabriel Medina (BRA), Jeremy Flores (FRA), Ethan Ewing (AUS), Torrey Meister (HAV)

6.a: Kelly Slater (EUA), Jadson André (BRA), Patrick Gudauskas (EUA), O´Neill Massin (TAH)

7.a: Jordy Smith (AFR), Kai Otton (AUS), Adam Melling (AUS), Ian Crane (EUA)

8.a: Joel Parkinson (AUS), Miguel Pupo (BRA), Jessé Mendes (BRA), Eli Olson (HAV)

RESULTADOS DOS SUL-AMERICANOS NO QS 10000 DE SUNSET BEACH:

TERCEIRA FASE – 3.o=33.o lugar (US$ 1.600 e 1.100 pts) / 4.o=49.o lugar (US$ 1.300 e 1.000 pts):

———-bateria que fechou a sexta-feira:

1.a: 1-Matt Wilkinson (AUS), 2-Ezekiel Lau (HAV), 3-Santiago Muniz (ARG), 4-Mitch Coleborn (AUS)

———-baterias que abriram o sábado:

2.a: 1-Deivid Silva (BRA), 2-Wiggolly Dantas (BRA), 3-Noe Mar McGonagle (CRI), 4-Davey Cathels (AUS)

3.a: 1-Ricardo Christie (NZL), 2-Jack Freestone (AUS), 3-Conner Coffin (EUA), 4-Lucas Silveira (BRA)

4.a: 1-Adriano de Souza (BRA), 2-Ian Gouveia (BRA), 3-Alex Ribeiro (BRA), 4-Michael Dunphy (EUA)

5.a: 1-Filipe Toledo (BRA), 2-Marc Lacomare (FRA), 3-Joan Duru (FRA), 4-Soli Bailey (AUS)

9.a: 1-Gabriel Medina (BRA), 2-O´Neill Massin (TAH), 3-Bino Lopes (BRA), 4-Nathan Florence (HAV)

10: 1-Torrey Meister (HAV), 2-Jadson André (BRA), 3-Nat Young (EUA), 4-Mitch Crews (AUS)

12: 1-Patrick Gudauskas (EUA), 2-Jeremy Flores (FRA), 3-Italo Ferreira (BRA), 4-Mihimana Braye (TAH)

14: 1-Kai Otton (AUS), 2-Eli Olson (HAV), 3-Joshua Moniz (HAV), 4-Caio Ibelli (BRA)

15: 1-Miguel Pupo (BRA), 2-Ian Crane (EUA), 3-Matt Banting (AUS), 4-Aritz Aranburu (ESP)

16: 1-Jessé Mendes (BRA), 2-Jordy Smith (AFR), 3-Sebastian Zietz (HAV), 4-Yago Dora (BRA)

 

 

 

compartilhar

1159
0